quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Nota do Fórum de ONG LGBT de Goiás contra a Homofobia

Na madrugada de 5 de dezembro de 2011, três gays foram barbaramente espancados ,ao retornarem de uma balada, em Goiânia -Goiás. A Violência aconteceu minutos após os homossexuais pararem no Posto de venda de Gasolina , no cruzamento das avenidas T-63 e Avenida 85 , no setor Bueno de Goiânia –Goiás. Um dos gays resolveu ir embora a pé e foi surpreendido por três jovens que , de forma homofóbica e organizados para o crime, o agrediram verbalmente e fisicamente ( Chutes na perna, socos no rosto, e pedrada).
Ao correr para o posto. O Gay percebeu que os 3 agressores se juntaram a uma quadrilha de mais 5 homofóbicos que agrediram novamente todos os 3 gays que estavam se escondendo no local. A quadrilha de homofóbicos continuou como um Pit Bull vigiando e impedindo a saída dos Gays agredidos do Posto. As imagens podem ser vistas em < http://www.youtube.com/watch?v=bZW9yDe-PKQ&feature=player_embedded > .

Diante da gravidade dos fatos a Sociedade Civil Organizada LGBT de Goiás solicita:
01. Aos Senadores Demóstenes Torres ( DEM ) , Lúcia Vânia e Ciro Miranda (PSDB) de Goiás que votem o texto integral do Projeto de Lei complementar 122 que estende a punição a crimes de racismo e anti-semitista aos de Homofobia.

02. Gerência de Diversidade, da Secretaria das Mulheres e Igualdade Racial –Semira monitore as ações da Secretaria de Segurança Pública de Goiás para punir a quadrilha formada pelos 8 Jovens Homofóbicos .

03. Comissão da Diversidade Sexual da OAB envie para a Assembléia Legislativa e Camara Municipal de Goiânia o projeto que lei que pune o preconceito, discriminação, e violência a Heterossexuais, Homossexuais ( Gays e Lésbicas) , Bissexuais , Travestis e Transexuais em Goiás e em Goiânia.


04. Aos movimentos de Direitos Humanos que se uma ao movimento LGBT na defesa do PLC 122 e no fim da violência contra todas as pessoas, inclusive as LGBT.

05. A Delegada Geral de Polícia, Adriana Accorsi, que identifique e puna os agressores.

Goiânia, 20 de Dezembro de 2011
Aparecida de Goiânia - ADGLT
Anápolis – Sociedade Oasis
Caldas Novas - AGLST Raq
Catalão – MCDH
Goiânia - ABGLT
ABL
ABRAGAY
ABEH
Afro LGBT
AGLT
Alego
Antra
Artgay
Astral
Apolgbt
CONAM confederação nac das ass moradores Brasil
Divercidade
Fórum de Transexuais
Grupo Eles Por Eles
GLG
Ipê Rosa
LBL
CMP Brasil
Oxumaré
Rede de Negros e Negras LGBT
Rede Trans
Setorial Nacional LGBT da CMP
Itumbiara – Articulação dos gays de Itumbiara
Jataí – AJDH Novamente
Leopoldo de Bulhões - Associação Cultura Família Arraiá do Veió
Pirenopólis - Asdhip
Quirinópolis – Arco-Íris
Senador Canedo – Orgulhosa Resistência
Rio Verde – Articulação dos Gays de Rio Verde
Trindade –
Flor de Liz
Associação Quilombola Vó Rita -


Demais articulações LGBT
Ser-Tão - Núcleo de Estudos e Pequisas em Gênero e Sexualidade, da Universidade Federal de Goiás
Colcha de Retalhos
MNDH
Grupo Pela VIDDA
LGBT da CUT
Setorial LGBT do PT de Goiás
Diversidade Tucana

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Travesti está desaparecida em Goiânia


Nossa companheira Tallita (Hamilton Costa), esteve em goiânia para uma reunião de Redução de Danos com uma equipe de Brasília no dia 02/11..acontece que no dia 03/11 a companheira saiu á tarde do hotel e até hoje domingo não deu notícia..a equipe retornou ao DF com a bagagem dela, então isso estar nos dando muita preocupação, informações via email da Bianca da ANAV-TRANS do Distrito Federal.


Quem tiver informações, por favor, entrar em contato conosco: Bianca Moura Ludymilla Santiago Ana Carolina Silva Silvério Daniel Costa William Aguiar ou qualquer pessoa do Fórum Lgbttdfe.



segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Comeca nesta quinta (20) - 2ª Conferência de Políticas Públicas para Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais do Estado de Goiás


2ª Conferência Estadual LGBT


DIA 20/10 (QUINTA):
Auditório Assembleia Legislativa

17h - Recepção aos(às) participantes e início do credenciamento
19h – Abertura Solene (Auditório Assembleia Legislativa )
19h20min - Apresentação Artístico Cultural
21h – PALESTRA: Avanços e perspectivas pela cidadania LGBT no Brasil.


DIA 21/10 (SEXTA):
Centro de Referência da Igualdade.
Endereço: Avenida Goiás, nº 1496 Fone: (62)3201-7489
8h- Café da manhã e encerramento do credenciamento – encerramento às 14 horas
9h- Plenária para Aprovação do Regimento Interno

10h – MESA I: Experiências Municipais e Estaduais de Políticas Públicas para LGBT

11h30 às 12h30 – MESA II: Enfrentamento a Homofobia no âmbito do Poder Legislativo

14h – Mesa Redonda – Avaliação das Políticas Públicas LGBT em Goiás

16h - Grupos de discussões temáticos:
- Saúde;
- Educação e Comunicação;
- Segurança Pública, Justiça e Direitos Humanos
- Assistência Social, Cidadania e Trabalho
- Cultura, Esporte, Lazer, Meio Ambiente e Turismo;
- Legislação

18h30- Reunião dos(as) relatores(as) dos Grupos Temáticos com a Comissão de Sistematização

DIA 22/10 (sábado):
8h - Café da manhã
Plenária Final:
• Apresentação dos relatórios dos Grupos Temáticos
• Moções
• Eleição dos(as) delegados(as) para a Conferência Nacional
• (Art. 35. A Conferência Nacional será composta por 40% de delegadas e delegados do Poder Público e 60% de delegadas e delegados da sociedade civil)



12h30 – Almoço Cultural


Outras informações: Semira: 3201-5349
http://www.semira.go.gov.br/

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

11ª Goiânia Mostra Curtas começa amanhã no Teatro Goiânia

11ª Goiânia Mostra Curtas começa amanhã no Teatro Goiânia

por Agepel Imprensa, segunda, 3 de outubro de 2011 às 16:21

Com apoio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura (Lei Goyazes) e da Agência Goiana de Cultura Pedro Ludovico Teixeira (Agepel), começa nesta terça-feira, 4, e segue até o próximo domingo, 9, a 11ª edição do Goiânia Mostra Curtas. A abertura será realizada às 20 horas, no Teatro Goiânia.

Na solenidade, haverá homenagem a Suzy Capó (produtora cultural, curadora, co-fundadora do Festival Mix Brasil, militante dos direitos sociais LGBT) e Francisco Cesar Filho (cineasta, curador, produtor cultural, atual presidente do Fórum dos Festivais). Em seguida, serão exibidos os filmes Rota ABC e Máscara Negra. A noite termina com o show A Dama Indigna, da cantora Cida Moreira.

A diversidade sexual é tema da mostra especial da 11ª Goiânia Mostra Curtas. Nesta edição do evento, serão exibidos 114 filmes de curta duração, produzidos em 23 Estados, que compõem a mostra especial Os devassos chegam ao paraíso e as mostras competitivas de livre temática. Além do filmes exibidos nas sessões vespertinas e noturnas, o festival oferece atividades formativas, por meio de oficinas, seminários, debates e encontros.

A 11ª Goiânia Mostra Curtas é uma realização do Instituto de Cultura e Meio Ambiente (Icumam) com apoio de diversos patrocinadores, entre eles o Sebrae-Goiás, Ministério da Cultura (MinC) e Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Confira a programação no link: http://bit.ly/qZFgDo

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

1ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL LIVRE LGBTT DE GOIÂNIA


Convidamos a tod@s a participarem da 1ª Conferência Municipal Livre LGBTT de Goiânia, onde discutiremos e construiremos estratégias para politicas públicas de enfrentamento da Homofobia na Cidade de Goiânia e Goiás. Estratégias de luta contra a violação dos Direitos Humanos preconceito, discriminação às Lébicas, Gueis, Bissexuais, Travestis, e Transexuais.


Dia: 08/10/2011 - Das 14h ás 18h
Local: Auditorio do DCE da PUC-GO
Rua 240 Sem nº St. Universitario em frente ao COLÚ

-- 
Marco Aurelio de Oliveira
(62) 9924-8831
http://iperosa15anos.blogspot.com/
http://oxumarexhomofobia.blogspot.com/

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

SEMINÁRIO: SAÚDE DA POPULAÇÃO NEGRA.


        
CONVITE
                     

                              A Superintendência de Educação em Saúde e Trabalho para o SUS em parceria com a Superintendência de Políticas de Atenção Integral à Saúde, têm o prazer de convidar Vossa Senhoria para participar do SEMINÁRIO: SAÚDE DA POPULAÇÃO NEGRA. O objetivo desse evento é ampliar e fortalecer a participação do movimento negro nas instâncias de controle social das políticas de saúde em consonância com os princípios do SUS. 
Foi disponibilizada 01 vaga para essa Instituição.

     Data/horário:       
     26 de  setembro de 2011 – das 8h30 às 18h
     27 de setembro de 2011  – das 8h às 16h
   
      Local:       Kananxuê Hotel, situado na rua 28 nº. 27 – Setor Central. 

Quaisquer dúvidas entrar em contato com a Gerência de Planejamento e Execução de Eventos e Projetos para o SUS, pelo telefone: (62) 3201-3420 com Mara ou 3201-3407 com Cibele/Luciana.


Rua 26 s/n – Bairro santo Antônio – CEP 74853-070 – Goiânia-Go
Fone (62) 3201-3400 – Fax (62) 3201-3408


        


FICHA DE INSCRIÇÃO

SEMINÁRIO: “SAÚDE DA POPULAÇÃO NEGRA”
LOCAL:  Kananxuê Hotel  - Rua 28 nº 27  – Setor Central
DATA /HORÁRIO:
                 26 de setembro de 2011 - 8h às 18h
                27 de setembro de 2011 - 8h às 16h


DADOS PESSOAIS

NOME COMPLETO________________________________________________________
FORMAÇÃO PROFISSIONAL: _______________________________________________
CARGO: ________________________________________________________________
INSTITUIÇÃO____________________________________________________________
ENDEREÇO DO TRABALHO________________________________________________
LOCAL DO TRABALHO____________________________________________________
CIDADE:_________________________________________CEP___________________
TELEFONE/FAX___________________________________CEL.:__________________
E-MAIL_________________________________________________________________

CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES

1- DATA/HORÁRIO DO SEMINÁRIO: DIAS 26 E 27  DE SETEMBRO DE 2011, das 8h as 18h e das 8 às 16h respectivamente.
2- ALMOÇO PARA OS PARTICIPANTES DO EVENTO 
3- O DESLOCAMENTO DO TÉCNICO SERÁ POR CONTA DO PARTICIPANTE
4- HAVERÁ  HOSPEDAGEM APENAS PARA OS PARTICIPANTES DO INTERIOR 
5- ESTA FICHA DE INSCRIÇÃO DEVERÁ SER PREENCHIDA (de forma legível) E ENVIADA PARA O FAX (62)3201- 3408 ou via e-mail: comunicacao.sest@gmail.com até o dia 22 de setembro de 2011.


            Assinatura do Técnico                                  Assinatura da Chefia Imediata

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Mensagem do Governador Geraldo Alckmin para o Diversidade Tucana

CNCD/LGBT - Conselho Nacional de Combate a Discriminação e Promoção dos Direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais

CNCD/LGBT - Conselho Nacional de Combate a Discriminação e Promoção dos Direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais

O Conselho Nacional de Combate à Discriminação e Promoção dos Direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (CNCD-LGBT) é um órgão colegiado, integrante da estrutura básica da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR), criado através da Medida Provisória 2216-37 de 31 de Agosto de 2001.

Conforme Decreto nº 7.388 de 9 de dezembro de 2010, o CNCD-LGBT tem por finalidade formular e propor diretrizes de ação governamental, em âmbito nacional, voltadas para o combate à discriminação e para a promoção e defesa dos direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais – LGBT.

O Conselho é composto por trinta membros, sendo quinze governamentais e quinze da sociedade civil, conforme consta no menu COMPOSIÇÃO DO CNCD/LGBT


Ao CNCD-LGBT compete:

I - participar na elaboração de critérios e parâmetros de ação governamental que visem a assegurar as condições de igualdade à população LGBT;

II - propor a revisão de ações, prioridades, prazos e metas do Plano Nacional de Promoção da Cidadania e Direitos Humanos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais - PNLGBT;

III - propor estratégias de ação visando à avaliação e monitoramento das ações previstas no PNLGBT;

IV - acompanhar, analisar e apresentar sugestões em relação à execução de programas e ações governamentais para a população LGBT e a aplicação de recursos públicos para eles autorizados;

V - apresentar sugestões para elaboração do planejamento plurianual, estabelecimento de diretrizes orçamentárias e alocação de recursos no orçamento anual do Governo Federal, visando à implantação do PNLGBT;

VI - apresentar sugestões e aperfeiçoamentos sobre projetos de lei que tenham implicações sobre os direitos e cidadania da população LGBT;

VII - participar da organização das conferências nacionais para construção de políticas públicas para a população LGBT;

VIII - articular-se com órgãos e entidades públicos e privados, nacionais e internacionais, visando o intercâmbio sistemático sobre promoção dos direitos de LGBT;

IX - articular-se com outros conselhos de direitos ou setoriais, para estabelecimento de estratégias comuns de atuação;

X - fomentar a criação de conselhos, coordenações e planos estaduais voltados à promoção de políticas públicas para a população LGBT;

XI - propor realização de campanhas destinadas à promoção de direitos da população LGBT e ao combate à discriminação e preconceito;

XII - propor realização de estudos, debates e pesquisas sobre a temática de direitos e inclusão da população LGBT; e

XIII - analisar e encaminhar aos órgãos competentes as denúncias recebidas.

Sua composição se dá por representantes do Governo Federal e de Organizações da sociedade civil.


Histórico

A Secretaria dos Direitos Humanos - SDH vem assumindo a defesa dos direitos da população negra, de Indígenas e de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais desde o lançamento do Programa Nacional dos Direitos Humanos, em 1996.

Na III Conferência Mundial Contra o Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerância Correlata realizada em Durban-África do Sul, no ano de 2001, a SDH inovou, reconhecendo a luta dos movimentos e passando a incluir um representante de cada segmento no Comitê de preparação da participação brasileira na Conferência. Esse passo foi fundamental, pois o Governo Federal oficialmente passou a incorporar a diversidade desses temas nos fóruns internacionais.

Passada a Conferência em 2001, o Estado Brasileiro, afim de garantir a permanência do debate e construir políticas públicas para os grupos vulneráveis que foram foco em Durban, institui, por meio do Decreto nº 3.952, o Conselho Nacional de Combate à Discriminação-CNCD, órgão colegiado composto por representantes da Sociedade Civil e Governo Federal.

A grande preocupação do CNCD, desde sua criação, tem sido a busca incansável de sensibilizar os órgãos de Estado nas ações de defesa e garantia de direitos de grupos vulneráveis e as demandas que a ele são remetidas por defensores dos direitos humanos de Norte a Sul deste país, com ênfase na questão da discriminação racial.

Ao Conselho foi atribuído o acompanhamento dos casos que tramitam perante o Comitê de Eliminação de Discriminação - CERD, nos termos do artigo 14 da Convenção Internacional sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial de 1965 e ratifica pelo Brasil em 1968.

Em 2004, o CNCD e a Sociedade Civil LGBT do país, numa articulação bem sucedida com outras diversas áreas do Governo Federal, durante aproximadamente 6 (seis) meses de dedicação e trabalho intenso, apresentam a sociedade o Programa “Brasil Sem Homofobia”, que é a inclusão da perspectiva da não-discriminação por orientação sexual e identidade de gênero e de promoção dos direitos humanos de LGBT, nas políticas públicas e estratégias de Governo a serem implantadas (parcial ou integralmente) transversalmente por seus diferentes Ministérios e Secretarias.

Em 2005, o CNCD em parceria com o Programa Nacional DST-AIDS, do Ministério da Saúde, afim suprir essas desvantagens, e em atendimento ao que estabelece o Decreto 4.228, de 13.05.2002, criaram o AFROATITUDE – Programa Integrado de Ações Afirmativas para Universitários Negros, com o fito de fortalecer a resposta das universidades brasileiras que desenvolvem programas de ações afirmativas para afrodescendentes e adotaram o sistema de quotas para negros em seus processos de seleção ao acesso (vestibular).

Ainda no ano de 2005, a estrutura regimental do CNCD foi atualizada por meio do Decreto 5.397 de 22 de Março, passando englobar de forma explicita a participação de membros da população LGBT.

Com as políticas voltadas para a promoção da igualdade racial e para a população indígena sendo executadas por outros órgãos, em dezembro de 2010 o Governo Federal institui nova competência e estrutura ao CNCD, por meio do Decreto nº 7388, de 9 de dezembro de 2010. Para atender uma demanda histórica do movimento LGBT brasileiro e com a finalidade de potencializar as políticas públicas para a população LGBT, o agora CNCD-LGBT passa a ter como finalidade formular e propor diretrizes de ação governamental, em âmbito nacional, voltadas para o combate à discriminação e para a promoção e defesa dos direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais – LGBT.


CNCD-LGBT – junho 2011
cncd@sdh.gov.br

http://www.direitoshumanos.gov.br/